À mesa com Ágata Roquette

0 Gostou

Depois da Páscoa, várias semanas com feriados, e mais do que muitos encontros em torno da mesa, alguém tem de nos ajudar a por um ponto final nesta espiral de ‘asneiras’. Para isso, nada melhor do que a nutricionista do momento. Aos 32 anos, Ágata Roquette voltou a lançar um livro, As receitas – A dieta dos 31 dias, da Esfera dos Livros, e este foi o mote para uma conversa com cheiros e sabores que vão muito além de fórmulas culinárias. Se não sabem nada sobre o percurso da especialista que já foi atleta de patinagem e sentiu na primeira pessoa a pressão do excesso de peso, vão adorar ler isto até ao fim!

O dia em que foi pedida em casamento mudou a sua vida. Não apenas pelos motivos mais óbvios, mas por ter sido o momento em que se fez o clique na sua ‘luta’ contra o excesso de peso, que durava há 7 anos. Tinha 25 anos e estava com 90 quilos, a partir desse dia conseguiu perder 20 em apenas 4 meses. Se não tivesse sido pedida em casamento, como acha que estaria neste momento?

Na altura era adolescente e foi muito duro psicologicamente. Principalmente porque eu era magra, tinha um corpo atlético e de repente vi-me com mais 32 kg. Atingindo um máximo 90 kg. Hoje, sei que se tivesse os 90 kg não seria tao infeliz como na altura. Não sei como estaria mas penso que teria resolvido o assunto depois do nascimento do meu primeiro filho. O facto de ter tido filhos melhorou muito a minha relação com a comida, deixei de ser obsessiva e compulsiva, passei a focar-me no bem-estar do bebé.

De que forma a experiência de viver com excesso de peso afetou a sua forma de ver o mundo e os outros?

Em termos de relação nutricionista/paciente sinto que tenho mais força para motivá-los por saber que é possível mudar hábitos e passar a ter uma boa relação com a comida. Compreendo quem tem ataques de compulsão porque já os tive… comia, sem ter fome, tudo o que me aparecia à frente e logo de seguida arrependia-me. Esta relação estranha durou sete anos e passou por períodos em que praticamente não comia nada para emagrecer.

Um dos desejos que tinha era licenciar-se em Medicina Dentária. Como não entrou, seguiu para Nutrição. Quer comentar?

Ainda bem que não entrei! Adoro o que faço e hoje não me imaginava a fazer nada mais. Gosto imenso de falar com os pacientes, perceber o que os fez engordar (filhos, desgostos, problemas financeiros, stress, trabalho, etc), ou o que os fez emagrecer para desejarem engordar (como os divórcios, por exemplo). Em Medicina Dentária jamais teria esta relação com o paciente, pois só teria de me preocupar com a técnica. 

Escreveu três livros em três anos. [A Dieta dos 31 dias / As regras de ouro da nutricionista Ágata Roquette / As receitas – A dieta dos 31 dias.] Todos eles com enorme sucesso. Vai manter o padrão?

Não sei. Estou numa fase de grande cansaço, mas talvez nas  férias tenha tempo para pensar nisso…

 O último, ‘As Receitas – A dieta dos 31 dias’, tem uma ligação óbvia com a primeira publicação. Acha que o primeiro não estava completo?

Acho que devido a alguns blogs, como asdeliciasdasguerreiras, por exemplo, onde as leitoras do meu livro partilhavam pesos, receitas, motivações e desmotivações, vi que com o leque de alimentos que a dieta permite daria, de facto, para uma variedade enorme de receitas. E a verdade, é que era impossível escrever 250 receitas sem a colaboração das autoras do blog, a Vânia e a Sílvia, pois foi com toda imaginação delas que escrevi este livro.

O primeiro livro fala de um plano eficaz, sem fome, nem sacrifícios, durante um mês,  mas aborda pouco os restantes meses, igualmente importantes para pessoas que tenham muito peso para perder. Também acho muito útil para quem não precisa de perder peso mas se preocupa com a saúde e o bem-estar..

Livro Agata

Para quem ainda não teve oportunidade de ler, a premissa da Dieta dos 31 dias é a das dietas proteicas, ou seja…? 

A dieta dos 31 dias é uma dieta com alguns fundamentos da dieta proteica mas com introdução de muitos alimentos que nunca fariam parte de uma dieta proteica. Se é que se pode chamar assim pois, para mim é uma dieta semi-proteica, uma vez que o pão, a quantidade de vegetais e legumes permitidos, a fruta e os lacticínios a tornam uma dieta mais equilibrada e com grande escolha de alimentos.

Em sua casa cumprem-se, escrupulosamente, as regras que sugere nos livros?

Durante a semana sim. Vivo com algum cuidado com aquilo que como e já perdi 25 kg. Faço isto porque adoro comer e sei que ao fim-de-semana é difícil resistir a algumas tentações, como batatas fritas, pão, entradas do restaurantes, petisquinhos, etc. O mais fácil de resistir são os doces.

Há um dia chamado o ‘dia da asneira’, onde se pode comer de tudo, na quantidade que quisermos. É mesmo assim?

Não é “mesmo assim” porque aquilo que peço aos meus pacientes é que comam pratos/petiscos/doces que lhes deem realmente muito prazer, mas tem que ser um dia bem pensado. A ideia não é comer três bolos e três pizzas.

Mas por exemplo:

Ao pequeno-almoço um croissant em vez do pão + sumo de laranja natural; um bitoque ao almoço; um bolinho ou um gelado ao lanche; e num jantar social: umas entradinhas, um prato que lhe apeteça muito (ex. bacalhau à lagareiro) e um bocadinho de vinho.

Qual o seu truque de ‘detox’?

Oito bananas + oito copos de leite. Embora não resulte com todos os pacientes, quando resulta funciona muito bem! Ou, um dia de frutas + legumes (ex: Um sumo de laranja natural de manhã ou outro sumo de fruta e até com legumes). Ao almoço e jantar: creme de legumes; Durante o dia: fruta sem limite mas sempre da mesma qualidade (talvez maçãs para se ir mastigando. Em ambos os casos muita água ou chá.

Gosta de cozinhar?

Gosto. Cozinho às segundas, sextas e domingos. Nos outros dias janto nos meus pais, um dia nos meus sogros e um dia fora.

Qual a sua receita favorita do livro?

Lasanha de salmão. Não gostava nada de salmão e há uns meses comecei a adorar! O salmão é muito saciante.

Uma receita dedicada a’O Meu Pé Direito, como seria?

Talvez um peixe grelhado com uma salada de tomate e pimentos, muito bem temperada. Grelhado num grelhador de um jardim lindo, muito bem decorado, para apreciar num dia de primavera, com sol mas sem muito calor. Uma almoçarada tardia toda com amigos ou família.

Qual a sua divisão da casa favorita?

A minha sala de jantar que está aberta para a cozinha que tem uma ilha. Nessa ilha (quando convidamos alguém para jantar) o meu marido vai pondo os petiscos que gosta de fazer antes da refeição e depois passamos para a mesa de jantar para a refeição.

Um restaurante?

Um  restaurante com esplanada, numa noite quente de verão, e com um grupo animado, onde se possa estar à conversa até tarde e que tenha uma comida razoável.

Uma loja?

A loja vintage bazzar no Chiado e em Santo Amaro de Oeiras. É sem duvida a minha favorita com o seu estilo descontraído, colorido e feminino.

Uma revista?

Gosto muito de descontrair a ver revistas de moda e decoração, como Caras Moda e Caras Decoração ou Lux Moda.

Um blogue?

As delicias das guerreiras e  Style it up .

AgataRoquette

Á nutricionista dá consultas na Go Clinic, no Dayspa Isabel Queiroz do Vale e na Accentur.

Acompanhem o blogue também pelo facebook, instagram e pinterest.

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.