Rótulos nutricionais: Como decifrá-los?

Texto de autoria de Joana Gonçalves:

Infelizmente os rótulos nutricionais dos alimentos são ainda um verdadeiro mistério para a maioria dos portugueses… que quando optam por tentar compreendê-los, a única categoria que parece importar continua a ser a das calorias. E basear a sua análise somente neste item é incorreto, é fundamental fazer uma leitura mais detalhada, inclusivamente no que aos açúcares diz respeito, naturalmente.

Garantir uma alimentação saudável e equilibrada, começa, desde logo, com a seleção ‘inteligente’ dos alimentos na altura de comprá-los. E é ai que entram os rótulos, no fundo, são eles que nos informam detalhadamente sobre o conteúdo nutritivo de cada produto. Esta preciosa informação ganha importância em pessoas que sofram de determinadas patologias, como hipersensibilidades, intolerâncias, alergias ou outras.

Detalhes sobre a composição do alimento, a sua quantidade, durabilidade, origem, conservação, utilização e modo de emprego, são alguns dos itens que devem vir sempre especificados.

Mas vamos por partes.

– Os ingredientes estão sempre registados por ordem decrescente, em relação ao seu peso.

– Os produtos que contenham ingredientes ou derivados que possam provocar alergias também devem vir mencionados.

– Assim como, a quantidade de energia, proteínas, hidratos de carbono, gordura, fibras, sódio, vitaminas e minerais. Estes dois últimos são apresentados como uma percentagem da Dose Diária Recomendada (DDR).

– O consumo excessivo de alimentos cujos primeiros ingredientes sejam gorduras, óleos, sal, açúcar (ou outras formas de açúcar), deve ser restringido sempre que possível.

– Tenha especial atenção aos açúcares, pois podem estar designados por outras palavras, como: sacarose, glucose, dextrose, frutose, maltose, lactose, mel, xarope de… E os diabéticos, por exemplo, deverão evitar alimentos que contenham estas especificações. Bem como, consumidores que tenham por objetivo a perda de peso. E quando aparece: ‘Sem adição de açúcar’, significa que, efetivamente, não foi adicionado açúcar ao produto mas não quer dizer que não tenha aditivos.

– Outra designação importantíssima de prestar atenção é o ‘termo’ sódio, quer este esteja isolado ou agregado a outras palavras. O sódio revela a quantidade de sal presente no alimento, logo, estes produtos devem ser evitados quando se pretende diminuir o teor em sal na alimentação.

Um exemplo concreto:
Por vezes, tentamos evitar os cereais açucarados, (aqueles que as crianças tanto adoram), e optamos por cereais menos calóricos. Porém, se analisar o rótulo, irá verificar que estes cereais que as senhoras escolhem quando estão a tentar perder peso são, efetivamente, cereais com um valor calórico significativamente mais baixo, mas com um teor em sal elevadíssimo. Pelo contrário, os cereais ‘das crianças’ são um pouco mais calóricos mas a quantidade de sal presente é muito menor. Resumindo, opte por produtos mais equilibrados, onde exista a mistura de vários tipos de cereais, ou faça você mesma essa mistura com cereais de aveia, muesli, frutos secos… Garanto-lhe que é muito saboroso!

Conclusão, vale a pena perder alguns segundos do seu dia a analisar o rotulo dos alimentos e garantir assim uma alimentação mais saudável e equilibrada!

Joana Gonçalves

SE GOSTARAM DESTA CRÓNICA, LEIAM TAMBÉM: ‘Nutrição Infantil: Não seja a bruxa má lá de casa!’

Acompanhem o blogue também pelo facebook, instagram e pinterest.

Leave a Reply