Restaurar móveis com tintas… em 5 passos!

Todas temos em casa móveis antigos, possivelmente herdados, e que podem ser atualizados pintando-os com cores fortes e alegres. Se é o seu caso mas tem receio de executá-lo com as ‘próprias mãos’ com medo de cometer erros, digo-lhe apenas…atreva-se!

A Filipa Brandão Mira vai explicar-nos o passo a passo como devem fazer e vão ver que gostam do resultado final!

PASSO 1

PROTEGER A ZONA DE TRABALHO

Utilizem um plástico grande, ou folhas de jornais e revistas. O importante é protegerem a zona evitando ‘acidentes inesperados’.

PASSO 2

REUNIR OS MATERIAIS NECESSÁRIOS

– Trinchas e pinceis. Devem colocá-los  dentro de água antes mesmo de utilizá-los pois evita que os pelos se soltem, especialmente se o pincel for novo.
– Rolos pequenos de pintura, e um tabuleiro para a tinta.
– Fita crepe adesiva, (tesa), para proteger recantos, zonas delicadas e puxadores ou fechaduras.

– Folhas de lixa de grão grosso e fino.
– Luvas de proteção. Recomendo as mais finas de todas.
– Raspadores, uma espátula, lixas de grão medio, grosso e fino para madeira.
– Betume para madeira.
– Tinta de subcapa acrílica ou primário acrílico.
– Tinta de esmalte acrílico, ou tinta plástica. A cor fica, naturalmente, ao vosso critério.

PASSO 3

PERCEBER O TIPO DE MÓVEL QUE QUEREMOS TRATAR

-É uma peça de madeira? Já havia sido pintada de outra cor? O que fazer?

– Se a pintura anterior for leve e lisa, sem volume ou saliências, podem fazer, em primeiro lugar, uma lavagem. Sugiro que o façam com uma solução caseira à base de água morna, vinagre, detergente da loiça ou sabão azul e branco. Esfreguem o móvel com um esfregão verde da loiça de forma suave, e nunca encharquem o móvel com água.

Por fim,  limpem bem com um pano húmido e limpo, e depois, com outro seco (e igualmente limpo). Deixem secar bem.

– De seguida, lixem o que houver de restos de tintas no móvel, especialmente se a pintura for saliente ou se tiver grandes camadas. Este passo funciona especialmente bem com uma lixadeira elétrica. Se não tiverem aconselho lixar à mão com uma lixa de grão mais grosso primeiro, (a aplicação desta lixa pode ser feita sobre um taco  ou bloco de madeira retangular). Uma nota importante: Ao lixar lembrem-se que têm de fazê-lo no sentido dos veios da madeira e não no sentido oposto. Não contrariem a natureza da madeira, experimentando todas as direções…

– Depois de lixarem limpem muito bem as superfícies  com um pano, tirando todas as poeiras e grãos soltos. Mas atenção… esta tarefa ainda não está totalmente concluída: é agora altura de lixar com uma lixa de grão fino de forma a alisar o pelo da madeira, ficando impecável ao tato. Feito isto limpem novamente.

PASSO 4

ESCONDER DEFEITOS

Passamos, agora, à fase do preenchimento pequenas faltas ou buracos, no fundo, os defeitos que o móvel possa ter. Para esta etapa vão precisar de um betume próprio para madeiras que se compra nas lojas especialistas de bricolage e aplica-lo com a ajuda de uma espátula.

PASSO 5

RECUPERAÇÃO E PINTURA

– Para a preparação da pintura devem aplicar no móvel uma subcapa, ou primário acrílico. Passem duas camadas deste tipo de tinta sobre a superfície. Comecem numa ponta e acabe na outra, aqui, o método e organização de trabalho são fundamentais.

– Quando estiver tudo seco passem à aplicação da cor propriamente dita. Também aqui podem dar duas camadas de tinta com cor, embora, muitas vezes, baste só uma. As tintas de esmalte acrílico, ou as tintas plásticas, são as mais indicadas para a madeira. A base das tintas plásticas é aquosa, logo amiga do ambiente. Por sua vez, a composição do esmalte acrílico também é constituído por água.

Este tipo de tintas tem diferentes acabamentos:

Mate, isto é, opaca, sem brilho, não reluz. De fácil limpeza, pintura e secagem. Boa para limpar depois de pintada. Uma ótima escolha se ponderarem, mais tarde, aplicar outro tipo de técnica no mesmo móvel.

Acetinado, ou seja, com brilho, lustroso. Permite um acabamento mais sofisticado. Também de boa utilização no que respeita a tratar de sujidades, uma vez que não a deixa entranhar devido à superfície ser ‘escorregadia’/acetinada.

– No final, se considerem necessário, podem ainda aplicar um verniz acrílico para uma ‘superproteção’!

Acompanhem o blogue também pelo facebook, instagram e pinterest

3 Comments

  • Filomena Dias

    January 30, 01 2014 12:00:00

    Parece fácil…. para quem tem habilidade smile emoticon

  • Ernestina Duro

    January 30, 01 2014 12:00:00

    Vou ganhar coragem, e pintar uma cama com a cabeceira em palhinha.

  • Alexandra Almeida

    January 31, 01 2014 12:00:00

    🙂

Leave a Reply