2017 Em review

0 Gostou

Sempre que um novo ano começa – a par com os novos projetos que começam a desenhar-se na minha mente – gosto de fazer um balanço do ano que findou. Entre dias bons e, menos bons, é especialmente reconfortante recordar os pontos altos de mais um ciclo de 365 dias, (ou as aprendizagens que retirámos dos dias que correram menos bem…).

2017 Foi, sem dúvida, um ano de mudança para mim. Não com alterações radicais ou estruturais, (felizmente o que é essencial na minha vida mantém-se). Os pilares as estruturas que me mantêm saudável e equilibrada, como ter ‘’as minhas pessoas’’ próximas e com saúde, o meu casamento e filhos no topo das minhas prioridades, permanecem firmes.

No entanto, aconteceram algumas mudanças: Vendi a minha casa (com o crescimento da família começou a revelar-se apertada), mas sem nunca esquecer que foi a primeira casa para onde fui viver, a primeira cuja obra de remodelação e decoração ficou inteiramente a meu cargo, (já lá vão cerca de 15 anos!) e aquela que ‘’viu’’ os meus filhos nascerem… São precisos mais motivos para ter sentido a coisa de forma emocional?

Foi também um ano de consolidação em algumas das minhas atividades, não apenas na minha atividade enquanto jornalista, nomeadamente com as revistas Urbana e Date a Home Mag (esta merece todo um novo post em breve!) mas também a gestão de um alojamento local, que tanto gozo me deu. E, claro, a maior de todas… A minha intervenção no mundo da decoração sob um novo prisma: assumindo e aceitando os projetos que me chegam as mãos (que podem aliás ver no separador recentemente criado, PROJETOS, adorava que vissem). É bom constatar que permanece quem acredite em mim e nas minhas capacidades e me confie a tarefa de decorar as suas casas ou divisões. Em breve, terminarei mais uma que partilharei convosco assim que possível!

E por aqui, o ”nosso cantinho” continua a crescer, não de forma célere ou estonteante mas de forma sustentada que é o mais importante. Ter sido, por exemplo, convidada para ser embaixadora da edição da Intercasa deste ano leva-me, pelo menos, a acreditar nisso. Ainda que o tempo que lhe dedico nem sempre seja o mais merecido, embora eu saiba de que dou o melhor possível em cada dia.

2017 Representou, também, o ano da entrada do Salvador no colégio, da mudança do Bernardo para a escola dos ‘’crescidos’’, e de incontáveis momentos que tive o privilégio de os acompanhar, calmamente, entre a azáfama dos dias que correm. Tirar um mês de férias junto dos meus filhos ou poder ficar em casa com eles sempre que adoecem sem outro tipo de pressões, num mundo em poucos são donos do seu tempo, são motivos para me sentir grata, concordam?

Manter os amigos de sempre e conhecer novas pessoas que me acrescentam foram outras das coisas boas deste ano.

Entre a música que ouvi, as peças a que assisti ou filmes que me marcaram elegi um dos que mais me sensibilizou para vos destacar. A Promessa é um filme incrível, inspirado em factos reais e que me ficou na cabeça durante os vários dias seguintes ao seu visionamento. É uma espécie de wake up call para quando dizemos que temos ‘’problemas’’. Foca o genocídio arménio por parte do império otomano e o resultado é um filme polémico, que tem gerado inúmeras manifestações internacionais nos casos de países que permanecem sem reconhecer este genocídio hediondo (Portugal incluído – e, para quem, como eu, quiser assinar a petição basta aceder aqui). Além dos fantásticos atores, já galardoados, Oscar Issac e Christian Bale, uma das músicas mais marcantes do filme tem autoria de um dos meus artistas favoritos, e que também partiu este ano… Chris Cornell. Vale mesmo muito a pena ver.

Convicta de que o melhor ainda está para vir… Desejo-vos um BOM ANO e obrigada por irem passando por aqui ***

Acompanhem o blogue também pelo facebookinstagram e pinterest.

Imagem: www.husligheter.se

Deixe uma resposta